Destaques

Reajuste do salário mínimo nacional 2018 | 03/01/2018

SALÁRIO MÍNIMO TEM REAJUSTE DE APENAS R$ 17,00 REAIS

SALÁRIO MÍNIMO TEM REAJUSTE DE APENAS R$ 17,00 REAIS SALÁRIO MÍNIMO TEM REAJUSTE DE APENAS R$ 17,00 REAIS

A divulgação do novo valor do salário mínimo nacional, que passou de R$ 937,00 para R$ 954,00 reais e passa a valer desde o dia 1◦ de janeiro de 2018, confirmando a política de ataque aos trabalhadores brasileiros que vem sendo imposta pelo governo Michel Temer (PMDB).
O reajuste de 1,81% fez a alegria da “Casa Grande”, enquanto penaliza especialmente os trabalhadores que ganham um salário mínimo ou pouco mais. Pois este aumento é pequeno e nos deixa descontente com valor de aumento em R$ 17,00 reais. Afinal, qual o impacto que terá na economia, pois este é um valor que será absorvido por tantos outros aumentos que tivemos, como energia, combustível, gás de cozinha entre outros produtos.
Para o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, “não basta o desemprego em 12% que assola e castiga duramente os trabalhadores brasileiros. O governo ilegítimo Temer precisa arrochar ainda mais o salário mínimo nacional, com reajuste abaixo da inflação’’.
De fato, o reajuste, publicado por Decreto em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na sexta-feira (29/12), está R$ 11,00 abaixo até mesmo do previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA), aprovada pelo Congresso Nacional no dia 14 de dezembro, quando foi projetado um valor de R$ 965 e é o menor nos últimos 24 anos.
Nespolo lembra que hoje cerca de 45 milhões de brasileiros recebem o piso mínimo e serão estes os principais prejudicados com a política do governo Temer, que acabou com o processo de recuperação do salário mínimo adotada durante os governos Lula e Dilma e que fez o salário mínimo ser reajuste sempre acima da inflação.
Entre 2001 e 2012, o salário pago aos 10% mais pobres da população aumentou mais que o pago aos 10% mais ricos, graças à adoção de uma política progressista de reajuste do salário mínimo. Neste período, em função desta política de valorização negociada com as centrais sindicais, mais de 36 milhões de brasileiros saíram da extrema pobreza.
Conforme o presidente da CUT, essa política entre outros resultados impactou positivamente na redução das desigualdades de renda entre ricos e pobres e contribuiu ainda para redução das desigualdades regionais.
Impacto negativo no mínimo regional
O dirigente sindical explica que o reajuste do salário mínimo regional tem como referência o mínimo nacional e que essa política de arrocho é negativa também para as negociações que vêm sendo feitas no RS.
“Estamos negociando o salário mínimo regional para 2018 com pedido de reajuste de 5,3% de forma a garantir o poder de compra ao trabalhador, recuperando a inflação perdida nos anos anteriores. Mas a política de arrocho do Temer puxa a negociação para baixo, o que aumenta a responsabilidade das centrais sindicais e exigirá maior mobilização”, avalia ele.
Muito abaixo do ideal
Além de não recuperar sequer a inflação, o salário mínimo está muito abaixo do ideal. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o valor do salário mínimo necessário para atender aos preceitos constitucionais deveria ser, em novembro de 2017 (último valor calculado) de R$ 3.731,39. Esse valor é 3,9 vezes maior que o salário mínimo divulgado para 2018, de R$ 954.
O salário mínimo que atende as necessidades do trabalhador é estipulado pelo Dieese, levando em consideração o preço de itens básicos de alimentação, como arroz, feijão, carne, farinha e leite, moradia, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social. Os valores levam em conta as necessidades de uma família de dois adultos e duas crianças, considerando que o trabalhador deve sustentar essa família apenas com o seu salário.




Fonte: assessoria de imprensa dos Metalúrgicos / CUT/RS / Jornal do Comércio


[ Voltar ]

Carazinho - RS
Av. São Bento, 501 - Bairro: Glória
CEP: 99500-000 - Carazinho - RS
Tel.: (54) 3331-1088

2016 Copyright(c) - Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos e Mat. Elétricos de Carazinho
Todos os direitos reservados - Desenvolvimento: RuralClassi do Brasil